Author: César, Valéria, Lara e Anaclara
•22:22
Ontem, pela primeira vez desde que chegamos tive vontade de voltar correndo pro Brasil. Estava trabalhando e um cliente veio me perguntar se podia dar um conselho sobre qual produto usar pra uma determinada situação. Não era um problema de não entender a língua. Eu entendi o que ele queria, mas sinceramente não tinha idéia do que aconselhar, porque não conheço grande parte dos produtos canadenses. E lógico que não iria de forma alguma dar uma sugestão errada correndo o risco de piorar a situação dele. Desde que comecei a trabalhar na Canadian Tire, quando eu tenho uma dúvida eu pergunto pra alguém pra aprender. Eu nunca perguntei algo 2 vezes. Nunca mesmo, eu gravo a informação e pronto. Fora o tempo que gasto lendo sobre os produtos e aprendendo. Com essa tática, tenho melhorado muito desde meu primeiro dia, quando não conhecia absolutamente nada.
Me aproximei de um dos caras que trabalha comigo e ele me surpreende dizendo: "Será que você não pode tomar uma decisão sozinho? Tenho muita coisa pra fazer." E nem fazer a pergunta, eu tinha feito. Aquilo me deu um baque. Me senti a mosca no cocô do cavalo do bandido. Fui até o banheiro e confesso que cheguei a chorar, pensando que se estivesse no Brasil, eu não teria esse problema. Ele até veio depois me pedir desculpa porque tinha sido grosso comigo e eu falei pra não se preocupar. Ele pode ficar tranquilo que nunca mais pergunto nada pra ele.
Quando resolvemos mudar pro Canadá, sabiamos que encontrariamos situações como essa. Eu sei que os canadenses não tem obrigação de ajudar um imigrante com suas dúvidas, entendendo que todo dia é um grande aprendizado pra nós, que tudo é novo pra gente. Alguns tem paciência, outros não. Após 5 minutos de tristeza, passei até a achar bom aquilo. Agora tenho mais um motivo pra me empenhar e conseguir logo algo na minha área profissional, onde não passarei por situações como essas, porque lá eu tenho o domínio da situação. Bola pra frente que quando eu menos esperar estarei de volta pro que realmente gosto de fazer.

E a vida segue...
|
This entry was posted on 22:22 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

20 comentários:

On 2 de maio de 2011 03:40 , Alexei disse...

Essa foi dura mesmo. Imigrar não é fácil. Mas o que não mata, fortalece. Quanto mais altos são as barreiras que saltamos, mais fácil as próximas serão.

 
On 2 de maio de 2011 08:01 , Simone disse...

Que bom que vc compartilhou, pq é dificil mesmo, mas poucos tem coragem de falar. Uma vez perguntei numa loja pra um jovem canadense sobre um produto e ele me respondeu "nao sei, essa marca aqui passa mais propaganda na TV" o que percebo é que os vendedores aqui nao sabem muito dos produtos como no Brasil, entao relaxa, quando nao souber, fala nao sei e pronto.

 
On 2 de maio de 2011 08:56 , Dani e Rafa disse...

Não pode desanimar por causa disso não. Estas pedrinhas vão aparecer no seu caminho, seja na CTire ou quando vc estiver trabalhando como PM... Levanta a cabeça, passe por cima e lembre-se que sendo imigrante vc é mais forte e valente do que todo os canadenses juntos, que nunca tiveram coragem de desbravar outro lugar e nem mesmo aprender um segundo idioma (mesmo que seja o francês).. Bola prá frente!!!!

PS. Como anda a decisão de mudar? Vcs vem para Toronto? Me escreve se precisar de maisa alguma info daqui (vc tem meu email).
Beijos
Dani

 
On 2 de maio de 2011 10:41 , Rafa e Valter disse...

Acho muito difícil existir um imigrante que nunca se sentiu a mosca do coco do cavalo do bandido pelo menos uma vez. Já me senti váááárias vezes!

Não sei se com o tempo acostumamos ou se simplesmente ignoramos o fato e seguimos em frente. O importante, é não desanimar e enxergar o copo sempre meio cheio.

Siga com fé, logo sua oportunidade vai chegar :)

Abraços
Rafa

 
On 2 de maio de 2011 11:01 , Pat et Du disse...

É difícil né?! Mas não desanima, e pensa que se vc estivesse fazendo algo novo no Brasil, também poderia encontrar essas pedras no caminho.

Quando li seu post, me lembrei do meu primeiro emprego (no Brasil mesmo, ainda estou aqui...).
Tudo eu tinha que perguntar, pq era algo completamente novo pra mim. A diferença é que tive a sorte de encontrar pessoas super pacientes pra me ajudar, porém muitas vezes tive respostas grosseiras como a que vc teve, só que de clientes. Inicialmente a gente não espera, tem esse baque, mas depois com o tempo vc se acostuma que não consegue saber tudo... e bola pra frente =)
Abraços,
Pat

 
On 2 de maio de 2011 19:05 , Sandro e Família disse...

Meu amigo,

Acho que todos que se aventuram nessa louca jornada da imigração já viveram uma situação parecida, mas o importante é manter o foco e quem lida com pessoas seja aqui ou em qualquer lugar do mundo tem que relevar essas figuras.

Como alguem me ensinou....vida que segue !!!

 
On 2 de maio de 2011 19:09 , Sergio disse...

Calma Cesar, é assim mesmo.
Não pense que tenha sido algo pessoal contra voce, e nem nada contra a sua (nossa) situação de imigrante.
Isto é uma particularidade da cultura canadense, realmente é muito diferente do que estamos acostumados, mas é assim e pronto.
Aqui no Canadá se valoriza muito a "iniciativa". Se voce não souber alguma coisa e perguntar, a chance de ter uma má resposta é alta (sendo canadense ou imigrante), mas se voce agir errado, nada vai acontecer.
Eu vejo, no meu emprego, muita coisa errada poderia ser facilmente evitada se houvesse mais diálogo entre os colegas.
Eu fiz um curso na U of Toronto, muito bom por sinal, sobre cultura canadense. Isso foi muito realçado, é um problema que os imigrantes demoram muito tempo para entender.
Outra coisa, como minha professora nesse mesmo curso dizia, cuidado para não pisar no pé de alguem! Muito provavelmente esse seu colega se sentiu intimidado pela sua pergunta. Ele deve ter se sentido "atacado" por voce, porque provavelmente ele não sabia responder.

 
On 3 de maio de 2011 17:41 , :) Família Feliz :) disse...

Cesar eu pergunto mesmo! nem ligo pra essas topeiras (coitadinha da topeira)que cruzam o meu caminho, pra mal resolvida eu lasco de cara um:
sorry I dont speak English, but thanks for helping me, you be so kind...thank you very much!!!
E vou embora com toda a minha educacao de terceiro mundo, sem medo de ser sempre feliz, perguntando e aprendendo!
mil bjs pra familia toda

 
On 3 de maio de 2011 17:43 , :) Família Feliz :) disse...

Esqueci de perguntar quando vcs chegam aqui por estas bandas de toronto pra gente preparar o churrascao!!! estamos esperando vcs!

 
On 3 de maio de 2011 21:31 , Cadê Canadá? disse...

Hj eu tomei um fora de uma professora que me deu até vontade de dar na cara dela... e o pior é que eu já vi a mesma fulana tratando outras pessoas que pedem ajuda sem um pingo de paciência. Na hora eu fiquei sem chão, eu sempre são tão atenciosa e delicada com as pessoas e quando recebo uma reação dessas fico sem ação.. e depois ela veio falar comigo como se nada tivesse acontecido...go figure...tem gente grossa por aqui também...
É bom que a gente sempre aprende com quem está lidando.
Sleep on it! Um dia ele vai tomar um bem grande...rs!
Beijoks
Carina

 
On 4 de maio de 2011 23:31 , Paola Tavares Silva Wortman disse...

Cesar,
Nao sei se vale como consolo, mas lembre-se de que pessoas amaveis e solicitas existem em todos os lugares - e pessoas mal-educadas tb!
Nao realcione o fato de vc ser imigrante ao "evento". Imagine que vc por algum motivo, no Brasil, precisasse mudar de area profissional e acabasse entrando num emprego onde vc nao tem muitos conehcimentos e/ou experiencia. Depois imagine-se pedindo ajuda para um cara mal-humorado (como essse que te tratou com ignorancia). O resultado provavelmente seria o mesmo, a unica diferenca seria que o fora do cara seria em portugues e nao em ingles.
Ninguem esta livre de ser grosso num dia em que acordamos coma pa virada. Temos que tentar sempre sermos o mais gentis a cada dia. Acho que o camarada ai do seu trabalho esta no caminho certo deste processo, pois ele teve a humildade de vir te pedir desculpas. nao guarde magoas, talvez contar pro cara da SUA dificuldade como imigrante de ter que atuar em uma area que nao e a sua pra garantir o pao nosso pra familia faca-o te entender melhor e quem sabe se tornar seu melhor amigo. afinal, quantas vezes nos ouvimos que tudo e networking?? pois networking e tb ganhar a empatia e quem sabe tb a simpatia alheia. tenha uma ocnversa franca com ele, exponha como vc se sente no dia-a-dia. tenho certeza que vai ajudar. o cara nao e um fdp, se fosse nao teria pedido desculpas. as pessoas ao seu redor tem que saber das suas dificuldades e dos seus esforcos, isso faz com eles valorizem ainda mais o seu esforco.
desculpe o comentario longo, desculpe te dar minha opiniao assim, nao quero parecer enxerida, mas me sinto proxima o suficiente de vc para poder dar meu pitaco. e sinta-se a vontade para nao publicar o comentario. o mais importante e que vc nao guarde magoas, pois vc sera o unico prejudicado com isso. nao vincule o "evento" ao fato de vc ser imigrante. estas coisas podem acontecer em qq lugar com qq um. anos a fio eu dizia a mim mesma: "se estivesse no brasil isso nao aconteceria", mas descobri que nao e verdade. agora com mais de 16 anos aqui, diploma universitario daqui, totalmente adaptada (inclusive dizem que nao tenho sotaque de imigrante quando falo hebraico), vejo que coisas assim acontecem, afinal sempre tem algo que nao sabemos, estamos sempre aprendendo. e as vezes tem um mal-humorado que nos da um fora. Tomara que vc consiga algo na sua area logo ... estamos esperando vcs em calgary, viu!
beijos!

 
On 4 de maio de 2011 23:43 , Paola Tavares Silva Wortman disse...

so com anedota, log assim que cheguei aqui, uma vez fiqeui perdida na rodoviaria de tel aviv, entrei numa loja de cd's (musica) e pedi informacao o cara que me respondeu que ele nao e centro de informacoes, virou as costas e saiu pro outro lado da loja. depois de ter achado minha plataforma, ja no onibus eu perguntei a menina que estava sentada do meu lados se eu poderia fechar a janela e ela respondeu "I couldn't care less". fiquei chocada como o povo daqui e casca grossa. e eles realmente sao, especialmente comparando-os com o brasil. e cultural ... nao e pessoal. fazer o que?
(resp: ir pro canada ... rsrsrs)

 
On 5 de maio de 2011 12:39 , Zuzus disse...

Puxa, César... realmente, algumas situações não são questões de cultura, mas de educação mesmo. De qualquer forma, fazendo o jogo do "contente", pelo menos essa situação serviu para te estimular a aprender cada vez mais. Só não deixe te desanimar! Bola pra frente e, como vc sempre diz, 'vida que segue'.
Beijos,
Zuzu.

 
On 6 de maio de 2011 06:14 , Claudia e João disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
 
On 6 de maio de 2011 11:39 , Wagner Cardozo disse...

NUNCA se esqueça quem você realmente é, suas competências, suas habilidades, seu conhecimento, sua experiência, etc

Você NÃO É a posição que você ocupa. Isso é só um desafio temporário.

Acima de tudo. Anos vão passar e esse cara estará na mesma posição pois isso é o melhor que ele conseguirá com as competências e habilidades dele.

E ele sabe disso! Ele sabe que o que separa ele de você é só a barreira da lingua que logo é transposta quando as pessoas ao redor veem que por detrás de um inglês com sotaque há um profissional altamente qualificado.

Que Deus te abençoe e ponha uma porção dobrada de força, empenho e longanimidade.

Abraços
Wagner

 
On 7 de maio de 2011 22:02 , Cadê Canadá? disse...

César...
E vc acredita que no dia seguinte lá fui eu me meter de novo e tentar ajudar de novo e tomei outro fora da mesma pessoa... daí fiquei pensando: Deixa de ser idiota e fica calada quando ninguém te pedir ajuda, mesmo que vc saiba a resposta!!! Fiquei meio de cara pois já era o segundo vindo da mesma pessoa... Dali a 10 minutos, eu estava no elevador e ela se aproximou: Carina, eu queria te dizer uma coisa... eu tenho feito mil coisas ao mesmo tempo e... só queria que vc soubesse, me desculpa. e eu com um sorrisinho aliviado falei: Não tem problema algum, eu entendo.
Valeu a pena esperar e ver que ela percebeu que foi uma grossa! Rs!
E como vc mesmo diz, a vida segue! Rs!
carina

 
On 8 de maio de 2011 20:32 , Sil disse...

a Simone tem razao, vc não precisa saber tudo, alias.. quando aprendermos tudo a coisa perde a graça , então relaxa, ninguém nasce sabendo... nem mesmo ele

 
On 9 de maio de 2011 09:54 , Adriane disse...

Ola!
Que chatas sao essas pessoas que nao respeitam os outros! Me irrito com isso! Jah ouvi outros casos desse tipo e nunca me conformo.
Sabemos, todavia, que pessoas assim, dificilmente crescem como pessoas e na carreira, pois tem pobreza de espirito e provavelmente de skills.
Bola pra frente!

*Obrigada pelo comentario no blog e a presenca constante!!

Boa semana!
Adri

 
On 13 de maio de 2011 10:51 , Wellard disse...

Pois é grande Cesar, coisas na vida de imigrante. Quando imigramos para os EUA em 94, tanto eu como minha esposa passamos por algumas situações humilhantes. Minha esposa mais ainda pois não falava nada de Inglês. Houve momentos em que ela pensou em desistir e voltar para Brasil por causa disso. Mas tudo faz parte do aprendizado, crescimento e nos fortalece bastante. No final das contas, acabamos por viver lá por mais de 10 anos e foi sem duvida os 10+ anos mais bem sucedidos de nossa vida. Fariamos tudo de novo num piscar de olhos. O que aconteceu foi apenas um fato isolado pois coisas melhores estavam por vir, e vieram. Então, não se deixe abater. Veja isso como um sinal de que coisas muito melhores estão a caminho.

Abraços e continue firme em sua caminhada.

 
On 31 de maio de 2011 09:35 , Ana disse...

Nossa, imagino como voce deve ter se sentido. Dificil, ne? Mas bola pra frente, se alguem perguntar algo que voce nao sabe, diz que nao sabe e pede pra falar com outra pessoa. Se o colega nao quer ajudar, entao que lide com o cliente, certo?